segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Bonecas & Meninas

Boneca risco para patchwork
Risco patchwork, Boneca.


 



 









Moldes De Bonecas Em Eva


Moldes De Bonecas Em Eva






Fonte:Blog Bia Martinho, Blog Cyntia Fazendo Arte,Blog Eliane Matheus,Flor Patchwork,Blog Mãos Arteiras

domingo, 11 de novembro de 2012

Trapunto

  
Trapunto ou stuffed work, como também é conhecido em inglês) é uma técnica que produz um alto relevo no trabalho. É criado delineando-se o motivo com pontos à mão ou à máquina e depois preenchendo com uma camada extra de manta ou plumante.

A palavra Trapunto é italiana (originalmente trapungere) e significa “bordado”, esta, por sua vez, veio do latim “picar com agulha”.

Essa técnica originou-se na Sicília, por volta do século XIV, e se tornou popular em algumas partes da Europa, como na Inglaterra durante a dinastia Tudor (1485-1559) e na região da Marselha, França, nos anos de 1600. O Trapunto foi levado para a América por imigrantes desses países.

O que é mais interessante nessa técnica é que originalmente ele não servia apenas para deixar o trabalho mais elegante. Ao preencher os bordados com uma camada extra de enchimento (manta, lã ou algodão), a colcha ficava ainda mais quente (algo vital nas regiões mais frias da Europa e EUA) sem se tornar excessivamente pesada, visto que esse enchimento era feito em pequenas porções. Era a união perfeita do útil ao agradável, ou seja, a necessidade de aquecer com o benefício de embelezar a casa.

Foi na Sicília que a técnica surgiu, mas os franceses exploraram bem esta técnica e criaram outras variações como o Boutis!! No boutis, o trabalho é feito tudo na mão e o enchimento é feito sem deixar marca alguma no verso do trabalho, agora o trapunto é feito na máquina.



A técnica básica do trapunto consiste em elevar o desenho criado pelo quilting com enchimento inserido pelo verso. O enchimento pode ser feito com materiais variados como lã, mantas, plumantes e cordões. Objetivo é criar efeito de luz e sombra com os motivos arabescos que são destacados contra o fundo. Por isso que os primeiros trabalhos em trapunto foram feitos em tecido branco, numa peça única, para valorizar os desenhos.




A diferença entre boutis e trapunto é, basicamente, que o primeiro é feito na mão e o segundo na máquina.

Fonte:Blog Omelete de Amoras,Blog Art Quilt,

sábado, 3 de novembro de 2012

Camisa Masculina

A camisa como nós conhecemos tem menos de cem anos de idade e já foi considerada uma peça íntima. Atualmente, ela pode ser formal ou casual, ter manga longa ou curta, ser lisa, estampada, listrada ou xadrez, vir com diferentes tipos de colarinhos e punhos. São muitos detalhes que podem fazer com que o homem se perca com tanta variedade.

História
A camisa era considerada peça íntima e roupa de dormir. Usá-la sem nada por cima era impróprio até o começo do século 20, época em que só os trabalhadores braçais usavam a peça descoberta. Somente a partir de 1920 é que ela começou a ser vista em público por homens de todas as classes.
Tamanho
Os tamanhos das camisas prontas se apresentam por numeração (1, 2, 3, 4, 5 etc.) ou pelo famoso P, M e G. As camisas sociais ainda podem ser escolhidas de acordo com a circunferência do pescoço e, neste caso, temos as numerações como 38, 40, 42, 44, assim por diante. Já nas camisas sob medida, todas as partes das camisas serão confeccionadas com base nas medidas de quem vai usá-la.
DivulgaçãoTipos de Colarinho

O ideal é que haja um dedo de folga entre o colarinho e o pescoço para não apertar muito, nem deixar muita sobra, caso use uma gravata.

Opte pelo colarinho adequado ao seu rosto e na medida certa do seu pescoço.


Colarinho Clássico:É o mais tradicional, suas pontas não são demasiado longas e a distância entre elas é pequena, tornando este tipo de colarinho ideal para qualquer tipo de terno. Fica bem inclusive com gravatas finas, usando o nó simples por não ter tanto volume.

 

 

Colarinho Italiano: E o mais fácil de identificar, pois suas pontas são curtas e bem abertas.
Favorece os nós de gravata mais volumosos como o Windsor ou o Half Windsor. .Muitos homens têm usado o colarinho italiano mesmo sem gravata.
Este tipo de colarinho fica melhor com ternos escuros.
Vai bem para rostos finos, alongados ou ovais.



Colarinho Inglês:Suas pontas são longas e fechadas.
Para acompanhar o comprimento você precisará de um nó maior, mas sem tanto volume, como o Half Windsor, alguns preferem este colarinho quando não usam gravata em um look um pouco menos formal.  Acompanha bem ternos com corte mais sequinho e homens com rosto redondo, quem tem rosto fino deve evitar.



  Colarinho Francês:Um pouco mais curto que o inglês, mais aberto e sem botão. Cai bem com o nó simples de gravata e paletós mais esportivos, sendo adequado para disfarçar rostos finos e compridos, mas é o menos restritivo, fica bem em quase todas as pessoas.




Colarinho Americano ou Button Down:O mais informal de todos, é facilmente reconhecido por causa do botões em suas pontas. 
Pede nós pequenos e looks menos formais. Favorecendo rostos pequenos.

Curto: mais atual e moderno. É normalmente usado por quem gosta de um visual minimalista, ideal para usar sem gravata ou com gravatas bem estreitas e de seda mais fina. Bom para rostos médios ou pequenos. Evite usar se você é muito alto e grande

Arredondado: muito usado antigamente. Está ressurgindo em versão mais curta e baixa. Essa nova proposta sai do ar romântico para um estilo mais moderno. Bom para rostos médios ou pequenos. Evite de usar se você é muito alto e grande.

Colarinho branco:Ainda em alta, representa para muitos a ideia de status e imponência. Marcou uma época oitentista, e continua sendo bem aceito. Vai muito bem com o coordenado coringa, que é o Costume Marinho, e gravata vermelha. Se adapta bem aos mais diversos tipos de estaturas.


Tipos Punho
Divulgação Deve ter cinco centímetros a mais que a medida exata da circunferência do seu pulso. Caso você use com relógio, ele deve se encaixar sob o punho, sem apertar. Entre os formatos mais comuns temos o simples, que tem as pontas arredondadas e é o mais clássico de todos; o chanfrado com corte nas pontas; e o reto, que é o mais moderno. 
Ele pode ser fechado com um ou dois botões; reversível, quando é possível abotoá-lo com os botões ou com abotoaduras; ou duplo, que é usado com abotoaduras
.
Divulgação 

Ombro
  Olhe no espelho e repare se os ombros da camisa estão proporcionais ao seu corpo. Uma dica para saber onde termina seu ombro é apalpar com a mão até sentir aquele osso quase na ligação com o braço. É neste ponto que a costura da camisa deve estar.



Tórax

Divulgação O ideal é que não sobre nem falte tecido nessa região do corpo. Do contrário, você vai ficar desconfortável usando uma camisa apertada ou poderão aparecer algumas pregas quando estiver com paletó ou casaco.
Para uma camisa de modelagem regular, ou seja, nem muito folgada nem muito justa, o ideal é que tenha aproximadamente dez centímetros além da medida exata da circunferência do tórax. Esta é uma folga adequada para dar mobilidade para quem usa a camisa e deixá-lo com aspecto elegante. O mesmo vale para cintura e quadril.

estilo slim fit, aquela que tem o corte ajustado no corpo. Caso você tenha aquela antiestética barriga redonda, não se atreva, prefira as camisas folgadas e de corte reto, próprias para usar fora da calça.



Divulgação Mangas
Solte o botão do punho da camisa, estique o braço e repare no comprimento da manga da sua camisa. O ideal é que o punho esteja entre dois e três centímetros abaixo do pulso (com as mãos fechadas) ou que o punho encoste-se à base do polegar. Não deixe que a manga da camisa, depois de abotoado o punho, fique com mais de três ou quatro centímetros de sobra. Mais do que isso é sinal de que sua manga está comprida demais.
  Se você não gosta de nenhuma sobra de tecido nas mangas das camisas, vale lembrar que ao esticar o braço as mangas parecem mais curtas, quando estiver dirigindo, por exemplo.
Camisa Manga Curta
Esse tipo de camisa é ideal para a moda verão brasileira , ou seja, vai bem com o muito calor que aqui faz. Camisa de manga curta vai bem com calça de sarja, ou mesmo jeans.
A camisa de manga curta  é para um estilo “casual every day”, ou seja, ideal para o dia-dia de uma forma mais arrumadinha, seguindo o contexto tempo quente do Brasil. Se você souber montar o “look”  pode andar com muita elegância e estilo, mesmo com essa camisa esporte.
Dicas para usar a camisa de manga curta:  Nunca use a camisa de manga curta com gravata! Americano adora uma camisa de manga curta com gravata, mas é uma breguice sem tamanho. No Brasil isso é totalmente errado! E nem use com paletó (blazer, terno, etc).
A camisa manga curta segue um estilo bem mais despojado que a camisa casual de manga comprida (também chamada de  camisa esportiva). Ou seja, a camisa manga curta é recomendada para ocasiões e lugares mais informais.

Comprimentos

Divulgação
No caso de camisas sociais, que tem uso para dentro da calça, o comprimento deve chegar até o final do zíper ou do cavalo da calça. Atenção para o comprimento da camisa, de modo a evitar de ficar com a barra saindo da calça por mais leve que seja o movimento que venha a fazer.
Dica para usar camisa para fora da calça: As camisas de bainha reta são próprias para usar para fora da calça.
Para usar a camisa por fora da calça é necessário que a situação não seja formal, pois no traje social (usado nos casamentos, por exemplo) a camisa deve estar sempre por dentro.
Partindo dessa condição, a camisa por fora deve ser mais moderna, o que determina um shape mais ajustado e um comprimento mais curto.O comprimento ideal é em torno de 20 cm abaixo da linha do quadril ou cobrindo o cavalo da calça sem sobrar em baixo.
É muito estranho quando o homem usa uma camisa longa e larga demais por fora, dando um formato quadrado para o corpo.
Na prática, as camisas estão ficando mais ajustadas ao corpo, assim como os ternos. Desta forma, coisas largas demais estão se tornando ultrapassadas.
Se você é gordinho a camisa por fora é uma boa opção, seguindo as mesmas orientações. Tecido sobrando também pode aumentar ainda mais o volume do corpo.

Bolsos
A camisa tradicional e clássica masculina não tinha bolso. Ele foi introduzido como um item funcional e prático para ajudar a carregar eventuais apetrechos. E claro, por ser mais funcional, a camisa social com bolso é sim menos formal do que a sem bolso. Mas um pouquinho menos formal, sendo perfeitamente aceita para looks ternais corriqueiros, do dia-a-dia, sem o menor problema.
Aquele tipo de camisa que fica certinha no corpo (também chamada de slim fit) não pode ter bolsos.



Botões


Divulgação O importante é observar a prega dos botões. Prefira as camisas que não apresentem linhas soltas entre os buracos dos botões, pois se um fio estiver solto, basta um puxão para que o botão caia na sua mão. Os pregados com a linha de forma cruzada são os melhores.
As camisas mais chiques possuem botões de madrepérola.
Os colarinhos sem botões que aparecem são os mais elegantes.
A camisa deve ser abotoada em sua totalidade até em cima no colarinho, com exceção da camisa casual (ou esporte) e a camisa de manga curta. Se a camisa for social, o último botão do colarinho pode ficar sem abotoar caso seja dispensada a gravata.

Os botões mais comuns são de plástico mesmo, se, ao comprar um modelo, você notar que a camisa tem botão de madrepérola, leve somente se usar roupa social no dia-a-dia. 


Tecidos

O sonho de todo homem é vestir uma camisa de tecido leve, que dê a mesma sensação de um pijama. Ainda não fabricaram um material semelhante que dispense o ferro de passar. O algodão continua sendo o campeão. Algodão com poliéster tem a vantagem de amassar menos, porém, é mais quente. Detalhe do tecido Herringbone ou Escama, com desenho de espinha de peixe 
Os tecidos mais empregados na confecção de camisas são:
1. Herringbone ou Escama
O desenho da textura do tecido se parece com uma espinha de peixe. É muito usado nas camisas masculinas por ser uma alternativa aos tecidos lisos. Vai bem tanto no social quanto no casual.


Tricoline Xadrez Kargo cor 4

2. Tricoline
É um dos tecidos mais utilizados em camisaria. Sabe aquela camisa básica branca (bem branca)? Em 99% dos casos, é feita de tricoline. Neste caso, a qualidade do algodão pode variar, desde o algodão básico ao algodão egípcio.




3. Fil a Fil
Tecido composto por um fio tingido da cor predominante do tecido e outro fio branco, produzindo um efeito mesclado ao tecido. De toque suave, é agradável para usar durante o ano todo.

100 por cento de algodão tecido oxford para camisa dos homens 



4. Oxford
Tecido encorpado de origem inglesa. O entrelaçamento dos fios é composto sempre por um fio branco e outro colorido, que forma um efeito cheio de pontinhos no tecido. Diferentemente do Fil a Fil, o Oxford é um tecido bem encorpado e muito usado na camisaria esporte.




5. Pin Point


É semelhante ao Oxford, porém com um toque mais suave e os pontos do tecido são menores.



Os tecidos com texturas, também conhecidos como maquinetados, são ótimas opções para camisas brancas. “Temos de vários tipos desde os falsos lisos, canelados ou com efeito de listras em contraste. As possibilidades são infinitas e dão um toque extra ao básico branco”.

Uma boa camisa deve ser feita com tecido 100% algodão, ou seja, totalmente com fibras naturais. Elas deixam o tecido “respirar” e permitem a boa troca de calor. O linho é outro exemplo de tecido natural ótimo para o verão. 

O linho e a cambraia também são muito empregados na camisaria, porém, faz parte do tipo de tecido o aspecto amassado e certa transparência.

Camisas com tecido mais brilhante, como algodão com lycra, devem ser usadas somente na balada.

Cores e Estampas

Existem várias opções de tecidos, diferentes cores e muitas padronagens, mas o importante é saber escolher a opção que mais combina com você, seu perfil e principalmente a ocasião. O ideal é começar pelas camisas lisas e com cores claras e suaves e ir depois para os tecidos com texturas e assim por diante.
A camisa branca continua sendo a curinga! Não sai de moda nunca, combina com várias ocasiões, se adéqua bem a qualquer cor de gravata. Você pode escolher  modelos mais clássicos ou mais modernos, depende do seu gosto.
No caso das peças com listras ou em xadrez, você deve reparar se a padronagem está em harmonia tanto na parte da frente quanto na de trás, observando principalmente as laterais. É comum vermos listras bastante desalinhadas nesta parte. Isto é sinal de baixa qualidade no corte e montagem da camisa.

Fonte:Mulher Digital,Gustavo Sarti,Canal Masculino,Uol Moda,Dudes Moderno,Closet